Entre as consequências e os malefícios do vício em álcool e em quaisquer substâncias químicas, está o cometimento de atos impensados que podem marcar ou até mudar os rumos da vida do indivíduo. Um clássico exemplo disso é o fato que aconteceu na noite desse domingo, 21, por volta das 20h30, na Rua 4, do Setor São José, em São Luís de Montes Belos.

Aparentemente sem nenhuma motivação que justifique a sua atitude, a doméstica Neusa Carneiro Alves, mais conhecida por “Baiana”, de 67 anos, desferiu dois golpes de faca contra o oleiro Luís Pereira da Silva, 48. O fato pegou todos os vizinhos de surpresa. Ninguém esperava que uma tragédia dessa poderia acontecer entre os dois.

Ao ficarem sabendo do ocorrido, moradores acionaram a Polícia Militar, que enviou ao local uma equipe rapidamente. O Sargento Mariano, com o apoio doa Cabo Camargo, fez os primeiros levantamentos sobre o caso e preservou o local até a chegada do Instituto Médico Legal (IML), de Iporá, para recolher o corpo e esclarecer às causas da morte.

Após cometer o crime, Baiana se evadiu do local em rumo incerto. Segundo testemunhas, ela parecia ainda estar sob o efeito da bebida alcóolica. Ainda, de acordo com testemunhas, ela e a vítima passaram o dia de domingo bebendo em um bar localizado nas proximidades do local onde o fato ocorreu.

Baiana e Luís, apesar de residirem porta a porta em dois barracões, não tinham nenhum relacionamento amoroso. Eram amigos. Esse foi o motivo que levou a todos a estranharem a discussão ouvida entre os dois momentos antes do crime. Depois de um entrevero, houve um silêncio. Baiana havia tirado a vida do vizinho, que havia mudado para o local a cerca de uma semana.

A Polícia Militar agiu com precisão e concluiu a ocorrência poucas horas depois. Depois de uma diligência na região, Baiana foi presa ainda em situação de flagrante. Ela buscou refúgio na casa de um filho, que mora e trabalha na propriedade de um ex-vereador, onde funcionava a associação dos funcionários de uma empresa falida.

Sem nenhuma resistência, Baiana se entregou aos policiais e argumentou sobre os motivos que as levou a cometer o crime. Segundo ela, foi em legítima defesa. Ela contou que a vítima chutava a porta do seu barraco com a intenção de adentrar e, possivelmente, agredi-la.

Dando a entender que se sentia acuada, Baiana disse que, de faca em punho, abriu a porta e para se defender das agressões da vítima, ela desferiu contra Luís os golpes de faca. Fatais, pois a vítima morreu no local. A morte foi constatada por um médico do Samu.

Baiana, que passou por exames de praxe no Hospital Municipal e em seguida foi encaminhada à Delegacia de Polícia Civil, será ouvida pelo delegado Victor Avelino e possivelmente, indiciada pelo crime de homicídio. Os detalhes do indiciamento o delegado deverá esclarecer ainda hoje.

Essa matéria deverá ser atualizada posteriormente.

Por: Edivaldo do Jornal