O Poder Executivo de Iporá prestou, nesta sexta-feira (21), homenagem ao pecuarista Gilberto Marques, nomeando o antigo fórum da comarca com o seu nome. A solenidade foi acompanhada pelo filho do homenageado, presidente do Tribunal de Justiça do Estado de Goiás (TJGO), desembargador Gilberto Marques Filho, e pelo representante do governador Marconi Perillo, presidente da Agetop, Jayme Eduardo Rincón. O ato também marcou o tombamento do edifício do fórum local, construído em 1968.

A homenagem foi justificada pelo prefeito da cidade, Naçoitan Araújo Leite, por ter sido Gilberto Marques “um pecuarista de grande importância para o Estado de Goiás e para o Município de Iporá”. Segundo ele, também foi uma maneira de homenagear o presidente do TJGO, que no início de sua carreira atuou na região, bem como a todos os membros “dessa família querida e honrada”.

Gilberto Marques Filho disse estar honrado com a homenagem “ao melhor pai do mundo,” e que tinha a certeza de que onde ele estiver “está feliz com essa deferência e agradecido a cada um de vocês”. Contudo, o presidente do TJGO ponderou que outras pessoas, talvez mais importantes para a história de Iporá, também poderiam receber a homenagem, mas do fundo do seu coração a aceitava por ser pura e verdadeira.

O desembargador presidente também enalteceu a iniciativa do prefeito em proceder ao tombamento do antigo fórum da comarca, “que por muitos anos abrigou a Justiça e distribuiu Justiça aos jurisdicionados”. De igual modo, o diretor do Foro local, juiz Wander Soares Fonseca, afirmou que “este ato representa o resgate da história do Judiciário de Iporá, que começou neste prédio e que agora possui uma sede própria, ampla e bem equipada, dentro dos padrões de qualidade definidos pelo TJGO”.

Em nome da Associação dos Magistrados de Goiás (Asmego), o juiz João Geraldo Machado, de Iporá, e o juiz de Israelândia, Marcos Boechat Lopes Filho, destacaram a importância da preservação original do antigo prédio, afirmado ser “o resgate do Judiciário não só do Município, mas de toda a Região do Oeste goiano”.

Por sua vez, o representante do governador de Goiás elogiou o prefeito Naçoitan Araújo Leite pela “feliz ideia” de preservar a história não só no âmbito do Judiciário, mas de toda a história de Iporá. À oportunidade, Jayme Rincón elogiou a iniciativa do TJGO pelos projetos de interiorização da Justiça no Estado, “dando mais proteção ao cidadão que realmente necessita”.

Para o procurador-geral do Estado de Goiás, Alexandre Eduardo Felipe Tocantins, também é justa e legítima a homenagem prestada ao pai do presidente do TJGO, assim como o tombamento das antigas instalações do Judiciário de Iporá. O promotor de justiça de Iporá, Vinícius de Castro Borges e a deputada estadual Eliane Pinheiro, elogiaram a iniciativa, assim como o representante da OAB local, Claiton Alves dos Santos.

Galeria de fotos

O antigo Fórum de Iporá recebeu uma galeria de fotos dos antigos e atuais juízes da comarca, que foi instalada em 1949, tendo Pedro Faria sido o seu primeiro juiz. Na sequência, de 1956/1964 – José Almir de Siqueira; 1964/1965 – Omérico Antunes; 1965/1966 – Renato de Macedo Carvalho; 1966 – João Alves da Costa; 07/04/1976 – Benavenuto Alves da Silva Barros; 1977 – Alan Sebastião de Sena Conceição; 26/06/1979 – Sebastião Ramos Jubé; 28/06/1979 – Osny de Souza; 1981 – Alan Sebastião De Sena Conceição; 03/09/1982 – Newton De Aquino Telles; 26/07/1988 – Edison De Moraes; 1991 – Francisco Carlos De Paula; 27/04/1998 – Benedito Silva de Souza; 16/02/2007 – Ricardo Prata; 01/28/2007 – João Geraldo Machado; 07/02/2008 – Vinicius Caldas da Gama e Abreu; 08/09/2008 – Lucas De Mendonça Lagares; 29/06/2015 – Samuel João Martins; e 29/06/2015 – Wander Soares Fonseca.

Um dos advogados mais antigos de Iporá, Antônio Floryvaldo Lima, disse que, inicialmente, a comarca de Iporá funcionava em um prédio da Prefeitura e que hoje é um posto de saúde. Nele, funcionavam apenas os gabinetes dos juízes e do promotor. As escrivanias funcionavam em prédios alugados espalhados pela cidade. Somente no segundo semestre de 1949, o Judiciário de Iporá ganhou sede própria, localizada na Praça do Trabalhador, no Centro da cidade, e que ficou conhecida como a “Praça do Fórum”. Segundo ele, o prédio era moderno para a época, com piso de cerâmica, forro no teto e todos os gabinetes dos juízes com banheiros. Neste edifício também funcionava a Receita Estadual, observou o advogado, ponderando que o seu tombamento é muito importante para a memória da cidade.

Placa

Durante a solenidade desta sexta-feira, o desembargador Gilberto Marques Filho recebeu uma placa do prefeito da cidade, Naçoitan Araújo Leite, “pelos serviços prestados na região”. Mesma homenagem receberam os juízes locais Wander Soares, João Geraldo, Samuel Martins, “pela atuação na comarca”.

O desembargador presidente esteve em Iporá acompanhado de sua esposa Rubinéia Ávila Marques, de seu filho Gilberto Marques Neto, de suas irmãs Gilmê Marques Ludovico e Gilcê Marques Rosa, assim como de seu cunhado Gaultier Cardoso.

Além de pecuarista, o pai de Gilberto Marques Filho foi comerciante e nasceu em Buriti Alegre. Se estivesse vivo, estaria com 97 anos.

A solenidade, muito prestigiada, foi realizada em frente ao fórum tombado e contou ainda com a presença de vereadores, representantes da comunidade, servidores do Fórum local e moradores da cidade. 

(Texto: Lílian de França / Fotos: Wagner Soares – Centro de Comunicação Social do TJGO)