O fato, que comoveu a população de Iporá e das cidades vizinhas, aconteceu no último dia 31, numa estrada que liga os municípios de Iporá e Ivolândia. A representante comercial Vanessa Camargo Soares, de apenas 28 anos, foi morta de forma covarde com um disparo na face. Vanessa, que estava grávida de 3 meses, foi assassinada na frente do marido e de um filho de 2 anos.

O empresário Horácio Rozendo de Araújo Neto, 35, marido de Vanessa, relatou à polícia que tudo começou por volta das 6h da manhã, quando ele, a esposa e o filho, no carro da família, um KIA Cerato, saíram de Iporá, com destino à Goiânia. Na rodovia GO-060, nas proximidades da região da Lajinha, a família foi interceptada por dois elementos em uma motocicleta.

O empresário disse ainda que um dos criminosos assumiu a direção do veículo e o obrigou a ficar no banco de trás. Em seguida, continua o relato, ele voltou no sentido Iporá e na entrada entrou na rodovia GO-320, que liga Iporá a Ivolândia, com o outro meliante os seguindo na motocicleta. Que nas proximidades do lixão de Iporá, Vanessa teria se exaltado e discutido com o bandido, momento em que ele a alvejou com um disparo na face.

Ainda, segundo Horário, o bandido que o tempo todo permaneceu com o capacete na cabeça, dirigiu por vários quilômetros com sua esposa baleada e ao chegar na ponte sobre o Córrego da Tapera, já no município de Ivolândia, ele parou o veículo fora da estrada, desceu e montou na garupa da motocicleta e junto ao comparsa seguiram rumo à Ivolândia.

Ao site do G1, o delegado Ramom Queiroz, que cuida do caso, disse que Horácio confirmou os detalhes antes repassados à Polícia Militar. Disse ainda que só parou o veículo porque viu a arma com o motociclista. Ele disse ainda que quando o bandido abandonou o veículo, como o seu celular não tinha sinal, ele pegou o filho e foi para a estrada pedir ajuda. Que nesse momento a esposa já estava sem vida.

O empresário disse ainda que nenhum pertence foi levado pelos bandidos e que eles em momento algum disseram qual era a intenção deles. “Não descartamos nenhuma possibilidade. Temos que checar tudo”, disse o delegado.

O delegado está achando muito estranha a versão contada pelo marido da vítima. Para ele os detalhes não batem com o perfil de crimes como o ocorrido. A reconstituição do caso foi realizada no início da manhã do último dia 3 e contou com a participação de Horácio Neto. O corpo de Vanessa foi sepultado do dia seguinte à sua morte, em Iporá.

Até o momento os autores envolvidos nesse crime bárbaro e covarde não foram identificados. Mas há informações que nos próximos dias a Polícia Civil irá elucidar esse crime que deixou a família, amigos e toda a população de Iporá revoltados com tamanha barbaridade.

Por: Edivaldo do Jornal, com participação do G1/Goiás