Nesta semana a redação do Jornal A Voz do Povo recebeu algumas reclamações de pessoas que moram na Avenida Rio da Prata, no trecho entre o quebra-molas, em frente à Casa de Carnes Renascer até à Vila Nova. Todas querem saber quando o recapeamento da via, anunciado pela atual gestão, será concluído?

Esta reportagem foi ver in loco como está a situação. Além da demora na conclusão das obras, existem outros problemas apontados pelos moradores e por pessoas que trafegam pela via diariamente.

O pedreiro Geci Gonçalves dos Santos, reclama que a empresa responsável pela instalação da rede de esgoto quebrou toda a sua calçada e deixou descoberto o local onde funcionava uma fossa séptica. Ele quer que a empresa faça os devidos reparos em sua calçada.

Outro problema também apontado por moradores é a qualidade da compactação dos locais por onde passam a rede de esgoto. O marceneiro Leonardo, mais conhecido por Léo, aponta alguns lugares onde a massa asfáltica já cedeu, o que futuramente poderá gerar mais problemas, como já aconteceu no passado quando caminhões chegaram a cair em valas no próprio asfalto.

Eduardo Leonel Machado, que responde pela Secretaria Municipal de Obras, disse a esta reportagem que a conclusão do recapeamento estava dependendo apenas da conclusão da rede de esgoto, o que, segundo ele, finaliza esta semana. Ele disse que nos próximos dias a empresa retomará as obras.

Quanto à qualidade dos serviços realizados no acabamento da rede de esgoto, Eduardo disse que iria acionar o engenheiro da prefeitura, Gilmar Guimarães, para que o mesmo possa acompanhar mais de perto os serviços bem como a sua qualidade.

Quanto à reclamação do senhor Geci Gonçalves, o secretário disse que a empresa que está executando a obra irá reconstruir a sua calçada assim como todas que se encontram na mesma situação.

O recapeamento de toda a extensão da Avenida Rio da Prata está sendo feito em CBQU. A empresa também é responsável pela sinalização horizontal e vertical. A obra é dividida em duas etapas. A primeira inicia no cruzamento com a Rua Cidade de Goiás e custará aos cofres públicos R$ 402 mil.

A outra etapa começa após o chafariz e vai até a rotatória do Setor Morada Nova. Esse trecho custará R$ 310 mil. Ambos os recursos são do Governo Federal e contam com a contra partida do município.

Por: Edivaldo do Jornal