Os 8 detidos fazem parte de quadrilha que teria cometido 84 homicídios. Outros 14 integrantes já tinham sido presos apontados como autores de 23 assassinatos.

Polícia Civil prendeu oito homens suspeitos de matar 28 em disputa pelo tráfico de drogas pessoas na região sudoeste de Goiânia. A ação faz parte da Operação Descarrilamento II. Segundo as investigações, eles integram uma organização criminosa que já praticou 84 homicídios e é comandada por um detento de dentro do sistema penitenciário. Na primeira fase do trabalho, foram presas 14 pessoas, apontadas como responsáveis por outros 23 assassinatos.

De acordo com a polícia, eles agiam com grande violência contra os integrantes das quadrilhas rivais, atirando dezenas de vezes contra elas. “No celular de um dos presos encontramos uma lista com 18 nomes para serem mortos. Acreditamos que eles sejam responsáveis por 60% dos homicídios na região este ano”, informou o delegado Dannilo Proto, responsável pelo caso.

As prisões aconteceram na quarta (27) e quinta-feira (28). Ainda conforme a corporação, a média de idade dos presos é de 21 anos. “Em 20 mortes já temos a autoria definida e foi esse grupo. Ainda temos oito inquéritos para analisar, mas o modo de agir e as características dos crimes levam a crer que foi esse grupo”, explicou o delegado.

Em um dos crimes, a digital de um dos suspeitos foi encontrada no local. Além disso, o depoimento de testemunhas e escutas telefônicas reforçam os indícios da participação do grupo no assassinato.

G1 entrou em contato às 11h25 com a assessoria de imprensa da Secretaria de Segurança Pública para saber se há medidas para evitar que os crimes sejam ordenados de dentro da cadeia e aguarda uma resposta.

Outras prisões

Quatorze pessoas já tinham sido presas na Operação Descarrilamento I, a primeira fase da ação. A investigação teve início após ser identificado um aumento de 20% no número de assassinatos na capital no último trimestre. De acordo com o delegado Thiago Martimiano, o grupo agia de forma sempre semelhante e muito violenta.

“As mortes tinham as mesmas características violentas. O grupo atirava 30, em um caso até 90 vezes, contra as vítimas. Isso era também para mostrar poder”, disse.

O grupo – seis homens e oito mulheres com idades entre 20 e 25 anos – foram detidos em Goiânia, Abadia de Goiás, Trindade e Heitoraí.

Fonte: G1/Goiás