O protesto realizado por caminhoneiros, motoristas, taxistas, moto-taxistas e motoristas de UBER em sete polos de distribuição de combustíveis, na grande Goiânia, com o objetivo de obrigar pela redução dos combustíveis em Goiás, causou reflexos em dezenas de cidades do Estado, entre elas São Luís de Montes Belos. Nesta terça-feira, 14, enormes filas se formaram em todos os postos da cidade.

Em pouco tempo os estoques acabaram. Em dois deles, o que era esperado para se vender em dez dias foi vendido em poucas horas. Nesta quarta-feira, 15, em apenas alguns era possível encontrar álcool e óleo diesel. Gasolina nenhuma gota. A reação dos condutores de veículos foi a pior possível.

“Isso é uma brincadeira. Não bastasse os aumentos quase que diários que os combustíveis vêm ganhando e ainda acontece uma pouca vergonha dessa. A irresponsabilidade começa pelo Governo Federal depois chega ao Estado, que pra mim é o maior culpado por fazer com que Goiás tenha a carga tributária dos combustíveis mais alta do país”, reclama o vendedor José Antonio.

“Me sinto lesada moralmente e constrangida por ter que enfrentar essa fila. Eu gostaria de saber o que eu tenho haver com a irresponsabilidade dos nossos governantes? Eu estou pagando e eu quero o combustível pra eu me locomover”, desabafou a comerciante Dilsa Maria Souza.

Depois de algumas Liminares concedias pelo Poder Judiciário de Senador Canedo e de Goiânia, os manifestantes deixaram três dos sete polos distribuidores nesta quarta-feira. De acordo com as lideranças do movimento, a protesto continua por tempo indeterminado nos outros quatro polos e que eles vão recorrer das decisões judiciais.

Para o Governo Federal a justificativa para os aumentos que os combustíveis vêm sofrendo nas últimas semanas, é que eles, com exceção do álcool, são atrelados ao mercado internacional, que tem variáveis diariamente. Em Goiás a situação se agrava por ter o imposto mais alto do país, chegando à alíquota de 30%. Para os donos de postos, nada justifica.

“O que o Governo Federal não dá conta de explicar é por que em postos com a bandeira da Petrobras, no Paraguai, vendem a gasolina aditivada por R$ 2,52 enquanto aqui no Brasil chega a quase R$ 5,00. A resposta é simples: nós brasileiros somos feitos de palhaços diariamente pelos nossos governantes”, disse o estudante André Coutrim.

Por: Edivaldo do Jornal / Fotos: Redes sociais