Este é o terceiro estabelecimento do ramo fechado no município. Operação visa combater a exploração sexual.

 

Polícia Civil prendeu na madrugada de sexta-feira (17) os donos de uma casa de prostituição e apreendeu uma adolescente de 17 anos apontada como gerente do estabelecimento em Caiapônia, na região sudoeste de Goiás. O local foi fechado.

No momento da ação, sete mulheres e uma travesti trabalhavam no estabelecimento. Elas foram levadas para a delegacia para prestar depoimento e liberadas em seguida. Também foram apreendidos documentos e cadernos de contabilidade no local.

De acordo com o delegado Marlon Souza, os proprietários seguem presos até este sábado (18). Eles vão responder por favorecimento à prostituição, por manter casa de prostituição e também pelo crime de corrupção de menores porque praticavam o crime na companhia da adolescente.

Já a gerente foi autuada por atos infracionais análogos aos crimes que os donos do local cometeram. Para a polícia, ela é coautora.

 

“Ela trabalhava como garota de programa em outra casa de prostituição e, depois, passou a ser gerente da casa que fechamos. Ela foi entregue a um primo, e acionamos o Conselho Tutelar”, explicou.

 

Operação contra a exploração sexual

A ação foi coordenada pela PC com o apoio da Polícia Militar. Esta é terceira casa de prostituição fechada na cidade no período de um mês.

De acordo com o delegado, a Polícia Civil está focada em combater a exploração sexual no município após a denúncia de uma mulher que disse ter sido vítima de cárcere privado.

“A gente recebeu denúncias de garotas de programa de outras cidades que conseguiram fugir de casas de prostituição do município. Uma reportou que tinha uma dívida de R$ 5 mil, que inventavam dívidas, que tinha o condicionamento de sair mediante pagamento de cliente ou, se fosse na rua, mediante escolta de um segurança”, contou o delegado.

Apesar da declaração da vítima, Souza explicou que ainda não foram encontradas mulheres em situação similar nas casas de prostituição que já foram fechadas. Em uma delas, o dono ainda não foi identificado. Na segunda, o proprietário foi detido em fragrante.

O delegado espera fechar as outras quatro casas de prostituição da cidade até o fim do ano.

 

Fonte: G1/Goiás