Depois de quase um mês de investigação, a Polícia Civil de Firminópolis, sob o comando do delegado Tiago Junqueira, desarticulou um esquema de tráfico de drogas que acontecia no presídio da cidade. Nassary Ivone Ferraz, 23, e Leidiane Miranda de Souza, 29, foram presos em flagrante por policiais civis no dia 28 de dezembro.

Nassary, que é motorista do Aplicativo UBER, transportava Leidiane de Goiânia à Firminópolis onde o marido dela está preso. De acordo com Junqueira, a intenção de Leidiane não era só a de visitar o marido, ela também tinha a tarefa de abastecer o tráfico em Firminópolis. Com ela os policiais encontraram uma agenda onde havia a contabilidade da venda de drogas na cidade.

Segundo o delegado, as anotações na referida agenda mostram que Leidiane tem a receber de compradores locais cerca de R$ 10 mil. Durante uma revista no veículo que Nassary conduzia, um Hyundai HB20, placas PQO-8996, de Goiânia, os agentes encontraram cerca de 100 gramas de maconha.

Através das investigações, a Polícia Civil levantou que Nassary trazia Leidiane à Firminópolis nos dias de visitas da unidade prisional local e que o marido dela também foi preso pela DENARC pelo mesmo crime, em Firminópolis. Para o delegado não resta dúvidas de que o grupo fomentava parte importante do tráfico na cidade.

Junqueira ressalta ainda que a prisão do casal não significa o fim dessa história. De acordo com ele, ainda tem outros personagens na mira da investigação. Na outra ponta estão os compradores do entorpecente. “As investigações continuam com o intuito de identificar os demais compradores”, esclarece Junqueira, que frisa: “A Polícia Civil tem o compromisso com a verdade e a justiça”.

Leidiane e Massary foram autuados em flagrante pelos crimes de tráfico e associação ao tráfico. Ela agora não precisa mais se deslocar de Goiânia para visitar o marido em Firminópolis, pois ambos estão juntos à disposição do Poder Judiciário. Já o motorista Nassary perdeu a cliente, mas ganhou uma colega de cadeia.

Participaram da Operação, além do delegado Tiago Junqueira, os policiais civis João Ricardo Amaral, Alipio Simão, Gilvan Alves e Iasmine Moreira, bem como os escrivães Rackell Marques e Vitor Hugo.

 

Por: Edivaldo do Jornal