Atendendo à várias denúncias, no final da tarde deste domingo, 18, equipes da Polícia Militar de São Luís de Montes Belos estiveram em um clube do Setor Ypê e pôs fim a uma festa que estava sendo realizada no local. Motivo: vários menores e adolescentes visivelmente sob o efeito de bebida alcoólica e, possivelmente, de entorpecentes.

Com a chegada da Polícia Militar, que acionou também o Conselho Tutelar, diversos adolescentes se evadiram do local pelos fundos, fugindo da ação policial. Mesmo assim muitos deles tiveram que se explicar aos policiais e aos conselheiros tutelares, que determinaram a presença dos pais para que fossem liberados.

Indignados com a situação, alguns dos pais que compareceram ao local disseram que não sabiam que os filhos se encontravam nesta situação. “Eu pensava que esse local era um lugar confiável. Lugar onde a nossa família pudesse frequentar com segurança. Eu pensei que meu filho estava em boas mãos, mas vi que estava enganada”, disse uma das mães.

De acordo com o Sargento Alberto, comandante da operação policial, o local é totalmente impróprio e inadequado ao convívio social. “O local não tem alvarás da prefeitura e nem do Corpo de Bombeiros”, disse. A observação do Sargento é muito importante uma vez que no interior do clube tem piscinas.

Uma pessoa ligada ao proprietário do local disse que um dia antes por muito pouco não aconteceu uma grande tragédia em uma das piscinas. Segundo ela, quase que duas pessoas perderam a vida afogadas. “Foi por muito pouco”, disse.

O dono do clube, Valdivino “Folheiro”, arrendou o local para um terceiro a cerca de quatro meses. Até ele foi pego de surpresa com a situação. “Eu jamais imaginava que isso poderia estar acontecendo. Fui pego totalmente de surpresa. Todas as providências para regularizar a situação do clube serão tomadas”, disse Valdivino.

O arrendatário do Clube, conhecido por “Brodinha”, foi detido pelos policiais militares e encaminhado à delegacia de Polícia Civil, onde ficou sob a responsabilidade do delegado plantonista Dr. Davison Gerhardt, que é titular em Palmeira de Goiás.

Depois de se ater aos fatos narrados na ocorrência policial, de Perturbação do Sossego Público, o delegado não considerou se tratar de um flagrante, isso pelo fato de não ter identificado a autoria do crime. Apesar de todas as evidências, os policiais militares não conseguiram chegar até o ou os fornecedores das bebidas aos menores.

Mesmo que o arrendatário do clube tenha sido liberado, por não ter havido flagrante, a Polícia Civil vai investigar o caso. Há dois anos uma mudança na Lei tornou mais rígida a punição para quem fornece bebida alcoólica a menores de 18 anos. Confira.

A partir de 18 de maço de 2015, vender, fornecer, servir, ministrar ou entregar, ainda que gratuitamente, bebida alcoólica a menores de 18 anos passou a ser crime. A medida também se estende a outros produtos que possam causar dependência física ou psíquica se não houver justa causa para a venda.

A Lei 13.106/2015 altera o artigo 243 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA – Lei 8.069/90). De acordo com a mudança, quem cometer o crime poderá pegar uma pena de dois a quatro anos de detenção e multa que varia de R$ 3 mil a R$ 10 mil, além da interdição do estabelecimento comercial.

Por: Edivaldo do Jornal