Neste domingo, dia 7, o processo eleitoral em São Luís de Montes Belos, onde mais de 18.500 eleitores compareceram e votaram em deputados federais e estaduais, senadores, governador e presidente, transcorreu relativamente bem.

A demora na fila, provocada em sua maioria pelo processo biométrico, urnas apresentando problemas e a má distribuição dos votantes nas sessões, foram os motivos principais das reclamações de vários eleitores, que não pouparam críticas à organização.

Dos 22.789 eleitores cadastrados no Cartório Eleitoral e aptos a votarem, compareceram 18.508 e 4.279 se abstiveram. Apesar do descontentamento dos brasileiros com a classe política, o número de eleitores que preferiram não exercer a sua cidadania ao participar desse processo democrático, é considerado menor do que das últimas eleições em São Luís.

Algumas cenas bonitas chamaram a atenção. Mesmo dispensados da obrigação de votar, alguns eleitores idosos, como o aposentado José Valadão, com os seus 82 anos fez questão de participar desse momento democrático. Ao lado de uma cuidadora e amparado por uma bengala, ele foi à urna e com o seu voto contribuiu com o esse processo democrático que promete ser um dos mais importantes da história do Brasil.

Vários eleitores procuraram o Jornal A Voz do Povo afirmando que em algumas urnas ocorreram falhas na hora de digitar o número para presidente. Ana Maria de Jesus Araújo relata que com ela e o marido aconteceram a mesma coisa. Ela conta que ao votar no candidato a presidente Bolsonaro, não apareceu a foto do candidato, não apareceu a opção confirma, e que a sessão de votação dela foi encerrada sem mais, sem menos.

Indignada, Ana conta ainda que ao reclamar na mesa, eles fizeram constar a sua reclamação em uma ATA e ela disse aos mesários que ATA não resolveria, ela queria saber o porquê do seu voto não ter sido computado. Segundo ela, a resposta obtida é que não teria como eles fazerem nada naquele momento e que era para ela comparecer no Cartório Eleitoral na terça-feira, 9, para registrar a reclamação.

Ana Maria afirma que, mesmo fazendo uma ocorrência, como orientada pelo Cartório Eleitoral, o problema não foi resolvido. Indignada por não poder exercer a sua cidadania, a eleitora protesta e cobra providências. Ana lembra que o mesmo fato aconteceu com seu marido e que ela teve conhecimento de outros casos semelhantes ocorridos naquele dia.

As sessões instaladas na Escola Espaço Ativo, no Setor Vila Quininha, também provocaram indignação e revolta em centenas de eleitores, que em alguns casos ficaram na fila por mais de cinco horas. Enquanto duas sessões tinham 400 eleitores, uma terceira, que praticamente não havia fila, tinha menos de 200 eleitores.

“Isso aqui é uma falta de respeito, estou aqui a mais de cinco horas. Estão brincando com a gente”, reclama um eleitor. “Eu também estou na mesma situação. Nesse sol quente e esperando por várias horas. Acho que vou embora”, diz outra eleitora. Segundo algumas pessoas que estavam na fila, muitos eleitores desistiram de votar por causa da demora.

Com relação aos problemas ocorridos e reclamados por eleitores, o chefe do Cartório Eleitoral, da 80ª Zona Eleitoral, Luiz Henrique, diz que foram pontuais e que não comprometeram a votação e muito menos o resultado. Ele conta que apenas uma urna, que apresentou problemas, teve que ser trocada. Quanto às outras reclamações, Luiz afirma que todas serão apuradas.

Por: Edivaldo do Jornal