Sob um clima tranquilo, dia nublado, os principais cemitérios de São Luís de Montes Belos, São Sebastião e Park receberam um número considerável de pessoas no último dia 2, Dia de Finados. Pessoas do município e de vários lugares de Goiás e até de outros estados. Todos com o mesmo objetivo: matar a saudade e reverenciar a memória de seus entes queridos.

Num misto de emoção e de saudades, o clima foi contagiante. Difícil foi conter as lágrimas ao presenciar um pai, uma mãe lamentarem a partida precoce de um filho. Da mesma forma foi depoimentos de filhos que não se conformam por também perder os pais. O fato é que ninguém está preparado para aceitar a morte.

Para a maioria das pessoas que falaram com esta reportagem sobre o que representa para elas o Dia de Finados, além de ser uma oportunidade para matar saudade do seu ente ou um conhecido querido, é também um momento importante para se fazer uma reflexão na vida. Fazer um balanço das coisas boas ou ruins que a gente tem praticado. Valorizar mais a convivência com a família e com os amigos.

Nos dois cemitérios foram realizadas missas, que contaram com a presença muitas pessoas. Em dado momento, no Cemitério São Sebastião, uma voz solitária chamava a atenção. Era o senhor Vicente Rodrigues da Silva, membro da Igreja Assembleia de Deus, de São Luís de Montes Belos, fazendo o que Jesus mandou: pregando o evangelho.

Para o irmão Vicente, o cemitério é um lugar de semeio. Para ele o sepultamento de uma pessoa significa que ela foi plantada como uma semente e que um dia ela brotará. Segundo ele, quando Jesus Cristo voltar à terra, um anjo tocará uma trombeta e todas as pessoas que estão nos cemitérios se levantarão e que o céu ou inferno serão de acordo com a qualidade da semente.

Nesse Dia de Finados outro fato que chamou a atenção desta reportagem foi o cuidado com esses dois cemitérios. Muitas pessoas também comentaram sobre a limpeza dos locais. O departamento de limpeza pública da prefeitura fez um excelente trabalho. Houve quem dissesse que os cemitérios nunca ficaram tão limpos como nesse dia.

Por: Edivaldo do Jornal