Por volta das 21 horas deste domingo, 4, no momento em que atendia alguns clientes, a proprietária do Supermercado Chafariz Tchérina Silva foi surpreendida com uma visita inesperada e desagradável. A de um assaltante.

Pela forma que o marginal agiu quando entrou no supermercado, a empresária pensou que se tratasse de uma brincadeira, mas ela conta que quando ele mostrou a arma e começou a tratar a todos de forma ríspida e violenta, ela viu que a coisa era mais séria.

O ladrão, que usava de muita violência, usava camisa de manga longa, cor azul clara, e calça de cor escura, usava também um capacete de cor vermelha. Ele contava com o apoio de um comparsa, que ficou do lado de fora do mercado, ocupando uma motocicleta.

Sem oferecer nenhuma chance para o diálogo, e sempre com a arma em punho, o bandido ordenava a todo instante que a empresária repassasse a ele todo o dinheiro do caixa. Bastante nervosa e assustada com a situação, Tchérina não esboçou nenhuma reação e atendeu à determinação do bandido.

Ela entregou a ele todo o dinheiro que havia no caixa naquele momento, pouco mais de R$ 2 mil. Segundo a empresária, além do dinheiro, o assaltante também subtraiu do local vários pacotes de cigarros. “Quando olhei para ele, ele apontou o revólver e mandou eu não olhar pra ele”, conta Tchérina, que acredita que a arma do bandido era um revólver calibre 38, só que menor.

Um dos clientes que estavam no local foi agredido com coronhadas na cabeça e jogado ao chão, onde ficou deitado a mando do marginal. Outros clientes também foram agredidos com empurrões. https://youtu.be/5A9YmE4FcQ8

Questionada sobre o sentimento que fica após passar pela situação, a empresária conta que ficou impotente e com medo. “Por mais que eu tivesse feito tudo que ele me pediu, entreguei todo o meu dinheiro do caixa, mas meu medo era que mesmo assim ele machucasse a mim ou algum dos clientes que estavam no mercado”, disse.

Tchérina conta também que teve medo do assaltante levar o notebook dela, no qual está todo o trabalho de conclusão do curso que ela está fazendo, que segundo ela está na reta final. “Só estou fazendo as correções, mas graças a Deus levaram só dinheiro”, relata ela, aliviada.

Indagada sobre a experiência de passar pelo que passou, Tchérina foi enfática. “É uma situação que não desejo passar novamente e que infelizmente a marginalidade é grande e que mesmo correndo risco não vale a pena reagir. Que o melhor é entregar o que pedirem, porque estas pessoas não têm nada a perder, são pessoas que vivem de ladroagem mesmo. E dinheiro, com saúde e honestidade ganhamos mais”, finaliza.

Nas imagens do circuito interno do supermercado, mostram claramente a ação da dupla de marginais. Enquanto um entra no interior do mercado o outro aguarda na motocicleta para posteriormente empreenderem fuga. Dando a entender que a ação foi detalhadamente premeditada.

Até o início da tarde desta segunda-feira, 5, a Polícia Militar ainda não tinha pistas da dupla de assaltantes, que fugiram em uma motocicleta cor preta, e ambos usando camisas de mangas longas, de cores branca e azul claro. Quaisquer informações sobre esses marginais poderão ser repassadas pelos telefones: 3671-7304, 3671-7380 ou 190.

Por: Edivaldo do Jornal