Adolescente completa 16 dias sumido e mãe suplica: “Quero meu filho”

Mãe chegou a acompanhar pessoalmente escavações da polícia, que procura Wanderson desde que foi visto entrando em caminhonete

A vida de Rozimar Chaves, de 41 anos, está paralisada há mais de duas semanas, desde que o filho, Wanderson Chaves, de 17, foi visto pela última vez, em Palmeiras de Goiás, a cerca de 90 km da capital goiana.

Rozi, como é conhecida, tem cobrado uma resposta para o desaparecimento do filho, com manifestações e entrevistas para a imprensa. Já são 16 dias sem trabalhar e sem conseguir se alimentar direito.

Wanderson, que é conhecido pelo apelido de Magrão, foi visto pela última vez entrando em uma caminhonete branca, na madrugada de 25/10. Uma câmera registrou o momento. O motorista do veículo é um fazendeiro da região e teve a caminhonete apreendida, mas não foi preso.

Escavações

Uma denúncia anônima indicou que o adolescente teria sido morto e enterrado em uma fazenda, entre as cidades de Cezarina e Mairipotaba, vizinhas de Palmeiras de Goiás. Policiais têm realizado escavações nessa região, com a ajuda de uma escavadeira. Rozi chegou a acompanhar esse trabalho de buscas pessoalmente.

“Cada tirada de terra era uma facada, uma angústia, muito difícil de acompanhar, mas eu aguentei”, conta a mãe de Magrão ao Metrópoles.

Rozi e suas vizinhas planejam uma nova manifestação na frente da delegacia, pedindo resposta para as autoridades, que deve acontecer na próxima sexta-feira (12/11).

“Eu como mãe, não sinto que ele está morto, mas sei que a qualquer momento posso ter uma notícia boa ou ruim. Mesmo que tenha notícia ruim, quero meu filho”, clama Rozi.

Momentos antes do sumiço

Testemunhas relatam que na noite de 24/10, Wanderson foi até um bar de Palmeiras de Goiás, depois de sair do seu trabalho em um pesque-pague, onde trabalha com a mãe.

Ele teria ficado na companhia de um amigo até o momento em que o estabelecimento começou a ser fechado. O conhecido fazendeiro do município chegou ao local, em uma caminhonete branca.

Segundo testemunhas, o fazendeiro entrou no bar exibindo um revólver. Ele teria tido um desentendimento no balcão com Wanderson, ao ponto de apontar a arma para o rosto do adolescente.

No entanto, os dois teriam voltado a se entender e ficaram conversando. O adolescente e o motorista da caminhonete também teriam conversado na porta do bar, onde teria ocorrido outro momento de desentendimento, em que o fazendeiro atirou para o alto.

Tiros na madrugada

Durante a madrugada, Magrão e o amigo, também adolescente, teriam entrado na caminhonete, dirigida pelo fazendeiro, que deu voltas em alta velocidade pela cidade. O motorista teria dado vários tiros para cima durante o percurso.

Câmeras de monitoramento flagraram os dois amigos entrando na caminhonete e o veículo andando nas ruas de Palmeiras de Goiás.

Ainda durante a madrugada, o amigo de Wanderson teria sido deixado perto de casa e o motorista e Magrão seguiram viagem na caminhonete. O outro adolescente ainda teria tentado convencer Wanderson a não continuar no carro com o homem. Madrugada afora, outros tiros foram ouvidos na cidade.

Investigação

Em nota, a Polícia Civil de Goiás garantiu que a investigação está avançada e que diversos procedimentos foram e estão sendo feitos.

O delegado responsável pelo caso Matheus Abud só vai falar sobre o caso em momento oportuno, para garantir o sigilo do inquérito, que é considerado complexo, segundo a Polícia Civil.

A delegada regional Silvana Nunes, que também atua no caso, informou que ainda não tem informações para serem repassadas à imprensa. Ela afirmou que foi criada uma força-tarefa para investigar o desaparecimento.

O promotor do Ministério Público em Palmeiras de Goiás, Eduardo Prego, que acompanha a investigação policial, disse que as buscas continuam.

FONTE: METRÓPOLES
PROPAGANDA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on email