X

São Luis de Montes Belos 22 de Setembro de 2019 - Total de Acessos 8720310

A permanência da AMPA em galpão quase barra a vinda de uma empresa para São Luís

Visualizações: 466

A permanência da AMPA em galpão quase barra a vinda de uma empresa para São Luís

No início desta semana foi anunciado oficialmente a vinda da empresa Global Bev para São Luís de Montes Belos. A notícia gerou grande expectativa na população, em especial às pessoas que estão desempregadas, tendo em vista que serão gerados dezenas de novos postos de trabalho.

 

No dia seguinte ao anúncio da chegada da empresa, surgiu um fato que poderia frustrar a alegria de todos. O local anunciado para abrigar a empresa está ocupado por uma entidade protetora de animais, a AMPA (Associação Montebelense Protetora de Animais), que através de seu presidente, João Luiz exigiu uma série de condições para desocupar o local.

 

A atitude do presidente ganhou força quando ele ficou sabendo que a vinda da empresa para São Luís, por questões burocráticas junto ao Governo do Estado, dependia da desocupação imediata do imóvel, um galpão, localizado na Vila Quininha, que pertence à empresa Bertin.

 

Diante da situação uma força tarefa, envolvendo agentes do poder público municipal e do Governo do Estadual, foi criada discutir com o presidente da AMPA uma solução para o caso que acabou gerando um impasse.

 

Numa primeira reunião, realizada na prefeitura, entre o prefeito Major Eldecírio e as outras partes envolvidas, com a presença de apoiadores voluntários da AMPA, ficou decidido que um galpão no parque agropecuário seria cedido à entidade para que ela abrigasse, de forma provisória, os animais acolhidos por ela.

 

Momentos depois, durante uma visita ao parque agropecuário, João Luiz não aceitou o galpão oferecido. A ele foi apresentada uma outra área, que de imediato foi aceita por ele. Ficando naquele momento acertadas as adequações que a prefeitura realizar no local, como a instalação de alambrados e outros acertos.

 

Quando todos pensavam que questão estava resolvida, momentos depois uma pessoa, em nome da AMPA, procura o prefeito, e na presença do consultor Benedito Cardoso, apresenta outras exigências e condições para que a entidade desocupasse o galpão.  

 

De acordo com a emissária da AMPA, dentre outras coisas o prefeito teria que dobrar o tamanho da área já doada para a entidade construir a sua sede própria. Segunda ela, o terreno doado não possui vias de acesso, e pediu ainda R$ 100 mil. Mais uma vez não houve acordo.

 

No dia seguinte, quando o prazo exigido pela empresa Global Bev estava se exaurindo, mais uma reunião ocorreu entre a AMPA, o prefeito e parte de sua equipe. Com exceção dos R$ 100 mil, os demais pedidos foram acatados pelo prefeito. Ele vai encaminhar para a Câmara Municipal um projeto que o autoriza a doar outra área para a entidade e enquanto isso, os animais serão transferidos de imediato para um local que pertence ao município.

 

O local escolhido foi um galpão, localizado também na Vila Quininha, nos fundos da Escola Espaço Ativo. Pelo fato de o local pertencer ao município, possivelmente a entidade não deverá se preocupar com a desocupação mesmo em um prazo definido. Uma outra alternativa para resolver o impasse era estudada pelo prefeito, a construção de um canil municipal. A ideia ganhou força.

 

Em nota, publicada a respeito de um vídeo divulgado pelo jornalista Edivaldo do Jornal, detalhando o que aconteceu, a AMPA teceu críticas ao mesmo, reforçou a importância do trabalho voluntário realizado pela entidade em favor de animais abandonados e fez outras ponderações. Confira.

 

1º - A pecuária é totalmente inviável a ida desses animais para lá. Lá tem festas, tem animais de alto valor que passam alguma temporada ali, direto ouvimos falar que animais foram proibidos de entrar ali por conta de doenças, entre vários outros fatores.

 

2º - O terreno que foi nos doado não tem rua, dificultando assim a ligação de água e energia, por isso pedimos a doação do terreno da frente, que tem rua, minimizando problemas futuros.

 

3º - Pedimos sim o valor de 100 mil reais, não em dinheiro, mas que a prefeitura pudesse comprar o material e pagasse a mão de obra para fazermos o abrigo, foi recusado. Pedimos então 20 mil reais para fazer o pagamento dessa mão de obra, também foi recusado, alegando que nossa prefeitura não tem dinheiro. Mas o prefeito se dispôs a nos fornecer essa mão de obra sem valor acordado.

 

4º - Pedimos também a adequação do galpão que iremos nos mudar, lá é tudo aberto, sem condições de ir sem adequação.

 

5º - E não vamos sair enquanto tudo for documentado! Escolhemos defender esses animais e assim farem

 

Sobre o vídeo divulgado pelo jornalista, a AMPA faz uma grave acusação. Ela afirma que o presidente da entidade João Luiz estava presente no momento da gravação, deu explicações sobre o caso e que esse ponto foi cortado da gravação. “SEM FALAR QUE O PRESIDENTE DA AMPA, JOÃO, ESTAVA LÁ NESSE MOMENTO, DEU O DEPOIMENTO EXPLICANDO A SITUAÇÃO E O VÍDEO FOI CORTADO”.

 

Questionado sobre a questão, Edivaldo do Jornal desmente a entidade e afirma que aconteceu o contrário. “Assim que terminei o vídeo, o João Luiz estava atrás de mim acompanhando a gravação. Quando terminei perguntei se ele poderia gravar comigo e dar a sua versão dos fatos. Ele disse que não. Preferiu o silêncio. Isso está gravado. Pelo jeito vou ter que postar isso também”, conta Edivaldo.

 

“O fato é que nesse momento, onde dois assuntos importantes estavam sendo tratados, a geração de empregos e o bem-estar desses animais, a gente se deparar com a intransigência e o oportunismo de quem deveria aproveitar a boa vontade das pessoas que querem ajudar a resolver os problemas dos dois lados. É triste isso. Mas o importante é que os dois lados foram atendidos e que seja bem-vinda a Global Bev a nossa cidade”, destaca Edivaldo.

 

Apesar dos momentos tensos, com impasses e discussões que quase inviabilizaram o diálogo, Bendito Cardoso e o vereador Manoel Pereira da Rocha “Rochinha” também ficaram felizes com o desfecho do caso. Ambos trabalharam muito no sentido de viabilizar a vinda desta empresa para São Luís de Montes Belos. “Quero fazer um agradecimento ao presidente do Sindicato Rural, Omar Prudente, pela presteza quando o procuramos”, disse Rochinha.

 

Por: Eduardo Dias

Veja fotos em A permanência da AMPA em galpão quase barra a vinda de uma empresa para São Luís

×
Aqui o Povo Fala
(64) 9695-1676
Jornal A Voz do Povo
(64) 3671-3413

Aqui o povo fala envie sua mensagem/notícia.