X

São Luis de Montes Belos 14 de Dezembro de 2018 - Total de Acessos 8101487

Funcionários do Google ao redor do mundo protestam contra assédio sexual

Protesto, que está sendo chamado de #Googlewalkout, teve a participação de funcionários de 47 escritórios da empresa, incluindo Ásia e Europa, de acordo com a agência de notícias Bloomber.

Visualizações: 28

Funcionários do Google ao redor do mundo protestam contra assédio sexual

Aproximadamente mil funcionários do Google de todo o mundo deixaram os escritórios nesta quinta-feira, 1º, para se manifestarem contra a conivência da empresa com casos de assédio sexual cometidos por executivos – conduta que foi revelada por uma reportagem do The New York Times na semana passada. O protesto, que está sendo chamado de #Googlewalkout, teve a participação de funcionários de 47 escritórios da empresa, incluindo Ásia e Europa, de acordo com a agência de notícias Bloomberg.

 

Nos Estados Unidos, a manifestação começou em Nova York às 11 horas, no horário local. Mulheres e homens estavam presentes, segurando cartazes com dizeres, como “respeito às mulheres” e “não está tudo bem, Google”. Alguns americanos que não são funcionários da empresa também se uniram ao protesto, informou a agência de notícias Reuters.

 

Os funcionários listaram as suas demandas de mudança para a empresa. São elas: fim da arbitrariedade forçada em casos de assédio e discriminação, solicitação de um relatório público de transparência sobre casos de assédio sexual, elaboração de um processo transparente e inclusivo para denúncia de assédio sexual de forma anônima e segura, permissão para o diretor de diversidade se reportar diretamente ao presidente executivo da empresa e fazer recomendações ao conselho administrativo, nomeação de um representante dos funcionários para o conselho, e compromisso pelo fim da desigualdade de salários entre homens e mulheres.

 

Segundo relatos de funcionários, a mobilização foi construída por meio de vários e-mails trocados entre os colegas. A ideia do protesto surgiu no final de semana, de acordo com o site Buzzfeed News, quando os funcionários se reuniram em um fórum interno para debater o assunto.

 

Entenda os motivos

A manifestação dos funcionários do Google é uma resposta à reportagem do The New York Times publicada na última quinta-feira, 25. Nela, o jornal revelou que o Google protegeu três executivos que foram acusados de assédio sexual – um deles foi Andy Rubin, criador do Android, para quem a empresa pagou US$ 90 milhões na rescisão, segundo a reportagem.

 

Outro nome envolvido foi o de Richard DeVaul, diretor do Google X – área de pesquisa e desenvolvimento tecnológico da Alphabet, holding que controla o Google. O executivo é acusado de assediar uma engenheira durante o processo seletivo para uma vaga na equipe dele. DeVaul pediu demissão da Alphabet nesta quarta-feira, 31.

 

O presidente executivo do Google, Sundar Pichai, mandou um e-mail aos funcionários, em resposta à má conduta da empresa com casos de assédio sexual. No e-mail, Pichai não negou as acusações da reportagem, pediu desculpas e disse ainda que a empresa precisa adotar uma linha mais dura quanto a comportamentos inadequados. Pichai também declarou apoio ao protesto dos funcionários do Google.

×
Aqui o Povo Fala
(64) 9695-1676
Jornal A Voz do Povo
(64) 3671-3413

Aqui o povo fala envie sua mensagem/notícia.