Câmeras ajudam a identificar e prender grupo suspeito de matar vendedor na região da 44, em Goiânia

[post-views]

Três mulheres e um homem são investigados pelo assassinado. Vídeo registra quando atirador dispara várias vezes dentro de loja.

Câmeras de segurança ajudaram a força-tarefa da Polícia Civil a prender em flagrante quatro suspeitos, sendo três mulheres e um homem, de envolvimento na morte do vendedor Wesley Candido Pereira, de 32 anos. O assassinato aconteceu em uma galeria na região da 44, em Goiânia.
Os nomes dos investigados não foram divulgados, sendo assim, a reportagem não conseguiu localizar a defesa deles para que se pronunciassem sobre as prisões. Em depoimento, de acordo com a Polícia Civil, os investigados confessaram participação no assassinato.
As imagens mostram duas mulheres e um homem nas proximidades da galeria em que ocorreu o homicídio, por volta de 12h da última sexta-feira (2). As câmeras registraram ainda o momento que o atirador entrou na galeria mexendo no celular, observando o local. Em seguida, ele entra na loja de Wesley, atira duas vezes contra ele e sai. O vendedor não resistiu aos ferimentos e morreu no local.
“Duas pessoas fizeram a visualização do alvo e deram ‘ok’ para o autor. Ele efetuou o homicídio encomendado, saiu e foi pego no trabalho dele, no Jardim Guanabara”, explica o tenente-coronel da Rondas Ostensivas Táticas (Rotam), Benito Franco.
A outra mulher detida, conforme a investigação, intermediava o contato do irmão dela, que já estava preso, e os executores do assassinato. Segundo a Polícia Civil, uma rixa por tráfico de drogas motivou o crime, planejado há mais de um ano.
“Havia uma desavença, uma rixa de alguns anos que vinha se prolongando ao longo desse período entre autor e vítima”, pontua a delegada que participou da força-tarefa Rafaela Azzi.
As imagens mostram duas mulheres e um homem próximo a galeria em que ocorreu o homicídio, por volta de 12h da última sexta-feira (2). As câmeras registraram ainda o momento que o suspeito entrou na galeria mexendo no celular, observando o local. Em seguida, o suspeito entra na loja de Wesley, atira duas vezes contra ele e sai. O vendedor não resistiu aos ferimentos e morreu no local.

De acordo com a polícia, a vítima já havia sofrido uma outra tentativa de homicídio em 2015. O delegado Francisco Costa, que também atuou na força-tarefa montada com o objetivo de solucionar o crime, informou que a PC deve continuar as investigações para saber se outras pessoas estão ligadas ao homicídio.
“A gente tem agora dez dias para esclarecer algumas contradições, individualizar a conduta de cada pessoa presa e saber se existe algumas outras pessoas envolvidas no crime”, conclui o delegado.
A força-tarefa que investiga o assassinato conta com 18 policiais civis da Delegacia Estadual de Investigações de Homicídios (DIH), três delegados e policiais da Rotam.
O G1 solicitou, em mensagem enviada às 10h38 desta terça-feira (6), um posicionamento da Diretoria Geral de Administração Penitenciária (DGAP) sobre o envolvimento de um homem que já estava no sistema prisional e aguarda retorno.

Fonte: G1/Goiás.

PROPAGANDA
[xyz-ips snippet="galeria"]

Compartilhar