“Economia global terá recuperação discrepante”, diz diretor de Macroeconomia do Banco Mundial

Desigualdade se aprofundará. 100 milhões cairão na pobreza. PIB de países ricos terá alta

O diretor global de Macroeconomia, Comércio e Investimento do Banco MundialMarcello Estevão, disse que a recuperação econômica da pandemia será assimétrica em 2021. Haverá recuperação acelerada de países desenvolvidos e retomada lenta de países mais pobres.

“A nossa perspectiva para 2021 é melhor, mas não é uniformemente melhor. O tema da desigualdade de resultados ainda vai estar muito vivo, provavelmente ainda mais vivo daqui para frente”, afirmou.

Marcello Estevão também foi secretário de Assuntos Internacionais do Ministério da Fazenda durante o governo de Michel Temer e representou o Brasil no G20. Atuou como presidente do Conselho de Administração do New Development Bank (Shanghai) e membro do Conselho de Administração da Funcef.

Antes, trabalhou na Tudor Investment Corporation como economista-chefe para a América do Norte e Oceania e no FMI (Fundo Monetário Internacional), como chefe de missão para o Peru, Nicarágua e Barbados e vice-chefe da Divisão de Estudos Regionais, Divisão Norte-Americana e Divisão Latino-Caribenha.

RESULTADOS DISCREPANTES

De acordo com Marcello Estevão, a desigualdade da recuperação econômica da crise é causada também pela discrepância do combate à covid-19 e do controle da pandemia, o que resulta em maiores incertezas na economia.

“É fundamental que países menos desenvolvidos tenham mais acesso à vacinação. Há um certo excesso de oferta de vacinação em alguns países desenvolvidos, e isso provavelmente vai aumentar”, afirmou. “Então é preciso um mecanismo de transferência dessas vacinas para os países mais pobres”, completou.

Segundo o economista, os países desenvolvidos devem apoiar iniciativas para aumentar o espaço fiscal dos países mais pobres. “Por exemplo, o G20 lidera a iniciativa de postergação de pagamento de serviço da dívida. Isso ajuda neste momento, porque em vez de pagar juros e o principal da dívida, os países têm mais recursos para programas sociais e econômicos”.

Segundo Marcello, o Banco Mundial projeta que mais de 100 milhões de pessoas vão entrar no campo da pobreza em 1 ano. “Essa crise não só aumentou a pobreza até agora, mas continuará aumentando por mais tempo”.

PIB GLOBAL EM 2021

Segundo Marcello Estevão, a projeção de crescimento de 4% do PIB (Produto Interno Bruto) mundial em 2021 será revisada para cima. “Isso vem basicamente da força da recuperação das economias norte-americana, chinesa e algumas outras economias centrais”. Em janeiro, a instituição projetava alta de 3,5% no PIB dos EUA e de 7,9% no da China.

De acordo com ele, entre os países emergentes, alguns terão uma recuperação mais rápida que outros. “Já estamos notando um aumento bem significativo dos preços dos metais, mas também de outras commodities. Países que são exportadores de commodities, como muitos na África e na América do Sul, vão se beneficiar. Os países que dependem muito de turismo ainda vão demorar [para se recuperar]”.

QUEBRA DE PATENTES

Na avaliação de Marcello Estevão, a quebra de patentes das vacinas contra a covid-19 é bem-vinda e ajudará o desenvolvimento econômico global. “Eu diria que o momento chegou. Acho que estaria na hora de fazer isso. Ajudar laboratórios locais a produzirem”, declarou.

“Eu tendo a pensar que o impacto nesse incentivo estrutural, na produção científica, vai ser menor, porque fica bem entendido que isso está acontecendo no momento de gravidade internacional, e esses momentos não aparecem de forma frequente”, completou.

Segundo ele, as grandes empresas que participaram do esforço de pesquisa já se beneficiaram, e o preço das ações subiu muito. “Então, acho que é uma questão de um julgamento de valor. Eu acho que é o momento de apoiar a difusão da vacinação e é do interesse de todos”.

IMPOSTO CORPORATIVO MÍNIMO GLOBAL 

Marcello Estevão afirma que o plano de criar uma alíquota mínima global de imposto para multinacionais, proposto pela secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, é positiva.

“Nós, do Banco Mundial, estamos apoiando essa agenda, que é muito positiva para o desenvolvimento econômico. Há várias evidências de que muitas dessas companhias multinacionais pagam pouco imposto. Então é um movimento importante”.

AGENDA CLIMÁTICA 

Segundo o diretor de Macroeconomia, Comércio e Investimento do Banco Mundial, a agenda climática impactará cada vez mais a agenda econômica global.

“É um pressuposto baseado em ciência o de que não há desenvolvimento sustentável sem uma estratégia para lidar com o impacto desse desenvolvimento sobre o clima e do clima sobre o desenvolvimento. Não é um detalhe, não é uma preferência ideológica, é uma necessidade econômica real”, afirmou.

Além disso, de acordo com Marcello Estevão, o conceito de capital natural é “parte das ferramentas que qualquer economista bem informado e interessado no desenvolvimento tem que usar, é intrínseco ao debate sobre o desenvolvimento econômico”.

PRESERVAÇÃO DA AMAZÔNIA 

De acordo com ele, é importante que o Brasil continue invista na vocação agropecuária do país sem prejudicar o meio ambiente.“O capital natural é importante para o Brasil. [A preservação] ajuda a entrar na OCDE, ajuda o comércio e negociações com outros blocos […] É bom para o país, é bom para os brasileiros, é bom para a atividade econômica e para o desenvolvimento sustentável do Brasil”.

DESAFIOS PARA O BRASIL

“Países na situação do Brasil ainda têm que investir em controlar melhor a pandemia. É importante que, 1º, o lado da saúde pública esteja controlado”. Em 2° lugar, de acordo com ele, o desafio é o impasse entre continuar apoiando uma recuperação econômica que ainda depende muito do apoio fiscal, mas, ao mesmo tempo, fazer um ajuste fiscal e reformas necessárias.

Sobre a reforma tributária, Marcello Estevão disse que é “fundamental” para o crescimento de longo prazo. “É uma das reformas que realmente estão faltando no país. É muito complicado fazer negócio com o Brasil”.

“A mesma coisa com uma reforma administrativa do Governo. Uma das questões do ajuste fiscal é você diminuir o tamanho do Governo, mas de uma maneira que não prejudique a qualidade do serviço público. Então, não é uma coisa simples, mas são reformas que têm que ser feitas”, disse.

Fonte: Poder 360

PROPAGANDA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on email