Em áudio, suspeito de chefiar quadrilha de estelionatários preso em operação diz que não usa cartões de crédito básicos

[post-views]

Reginaldo Neuber e outras quatro pessoas foram presas nesta quinta (15) em uma operação da Polícia Civil; suspeito de Curitiba afirma que precisa de cartões gold, black e platinum.

Um homem suspeito de chefiar uma quadrilha de estelionatários diz em um áudio, obtido com exclusividade pela RPC, que não usa cartões de crédito básicos e afirma que precisa de modelos gold, black e platinum.

Reginaldo Neuber, de 35 anos, considerado pela Polícia Civil como um dos maiores estelionatários do país, foi preso na manhã desta quinta-feira (15), em Curitiba, em uma operação.

Outras quatro pessoas suspeitas de integrar a quadrilha também foram presas em São José dos Pinhais e em Goiás. Dez mandados judiciais foram cumpridos nesta quinta.

“Não precisa ser ‘full ‘ pra mim, né? Você sabe que não utilizo ‘cc full’ [cartão de crédito básico], mas o negócio que eu preciso é que seja ‘cc’ tipo top, acima de gold, platinum, black, essas coisas assim”, diz o suspeito.

O áudio do suposto chefe da quadrilha é uma resposta a outro estelionatário, segundo a polícia. Esse homem oferece cartões de crédito a Neuber. “Coloca nessa aí, patrão. Se precisar de mais algum ‘cc’ aí, alguma coisa aí, tu diz que eu tô com umas aqui, filé”, afirma em áudio.

De acordo com a polícia, Neuber é um programador experiente que montava sites falsos para todo tipo de negócio. Ele ficava com o dinheiro e com os dados dos cartões, que eram usados pela quadrilha e negociados em um mercado paralelo.

A polícia identificou vítimas do esquema país afora. A maioria dos cartões usados indevidamente já foi cancelada. O grupo deve responder por lavagem de dinheiro, associação criminosa, falsificação de documentos, estelionato e invasão de dispositivos.

Segundo a polícia, o suposto chefe da quadrilha havia sido preso em abril e respondia em liberdade por fraude na venda de produtos médicos. Na época, em meio à pandemia, ele matinha um site falso em que oferecia respiradores, máscaras e álcool em gel.

Curso para estelionatários

A perícia nos computadores e no celulares dele revelou que ele também passou a ensinar o ofício. Neuber montou um curso na internet para ensinar os golpes que aplicava. Dois dos presos na operação foram alunos dele, em Goiás, informou a polícia.

“Teve muitos interessados, sobretudo porque ele cobrava um valor baixo para ministrar o curso, mas ele cobrava uma porcentagem de 30% para cada golpe bem sucedido desse novo estelionatário”, afirmou o delegado Guilherme Luiz Dias.

Conforme a investigação, a organização criminosa obteve ao menos R$ 100 mil de vantagem indevida em cima de empresas e pessoas físicas do Paraná, São Paulo e Santa Catarina.

Os demais investigados são suspeitos de gerenciar o suporte a outros estelionatários, vítimas e sites fraudulentos criados pelo líder do bando, com apoio de estelionatários de São Paulo e Ceará.

A reportagem não localizou a defesa de Reginaldo Neuber.

Fonte:G1/Goiás.

PROPAGANDA
[xyz-ips snippet="galeria"]

Compartilhar