Goiano é preso nos Estados Unidos por suspeita de racismo e homofobia contra cinco pessoas após mensagens nas redes sociais

[post-views]

Secretário de esportes de Quirinópolis foi uma das pessoas que denunciou ter sido vítima do crime. A Polícia Civil afirma que foi realizado pedido da extradição do suspeito.

goiano suspeito de praticar racismo e homofobia contra cinco pessoas moradoras de Quirinópolis, no sudoeste de Goiás, por mensagens nas redes sociais, foi preso pela Interpol, nos Estados Unidos, onde mora. De acordo com a delegada responsável pelo caso, Camila Vieira, foi realizado pedido da extradição de Thiago Cabral, mas ainda aguarda decisão das autoridades norte-americanas.

A prisão ocorreu no domingo (12). O homem é acusado de praticar crimes como calúnia, difamação e injúria qualificada pelo racismo e pela homofobia. O g1 não conseguiu localizar a defesa do suspeito para um posicionamento sobre o caso até a última atualização desta reportagem.

O secretário de Esportes de Quirinópolis, Nubyano do Nascimento Pereira, foi uma das vítimas dos ataques preconceituosos. Segundo a Polícia Civil, os áudios que continham o conteúdo ofensivo foram enviados em grupos de aplicativo de mensagens e também de maneira privada.

Nubyano conta que começou a receber as mensagens no início de 2021, quando assumiu o cargo de superintendente. Segundo ele, as ofensas foram feitas pelo fato de ser homossexual.

“O dia que uma aberração igual você, abominada por Deus, parir pelo [palavrão], eu concordo com você. Mas, por enquanto, você só é uma aberração”, diz o homem em um dos áudios enviados.

Em outro áudio, o homem, identificado como Thiago Cabral, segue com ofensas quando o superintendente diz que vai tomar medidas legais contra as agressões verbais.

“Quem vai me processar? Você [risada]? Macaco [risada]! Chimpanzé!”

 

Ele procurou a polícia para denunciar o caso. Segundo a delegada Camila Simões, desde o fim de 2020, cinco pessoas já registraram queixas contra o homem, que era morador de Quirinópolis, mas atualmente vive nos EUA.

“Até então eu não estava me importando, eu estava relevando. A partir do momento que chega na minha família, aí as coisas já mudam”, disse Nubyano.

Fonte: G1/Goiás

PROPAGANDA
[xyz-ips snippet="galeria"]

Compartilhar