Grupo de médicos e cientistas protocola pedido de impeachment de Bolsonaro

Documento aponta crime de responsabilidade e diz que o negacionismo do presidente diante da pandemia de Covid-19 tem custado vidas. Mais de 60 pedidos de impeachment já foram protocolados contra o presidente da República.

Um grupo de médicos e cientistas protocolou um pedido de impeachment na Câmara contra o presidente Jair Bolsonaro. O pedido afirma que Bolsonaro cometeu crimes de responsabilidade na condução da pandemia de Covid-19.

Para embasar o pedido, os médicos e cientistas listaram uma série de declarações públicas e ações de Bolsonaro desde março de 2020, quando o coronavírus começou a se alastrar pelo país, até o dia 20 do mês passado.

Foi citada, por exemplo, a frase “Não sou coveiro”, proferida por Bolsonaro após ser questionado sobre o elevado número de óbitos pela doença no país. O pedido lembra também as declarações de Bolsonaro contra as medidas de isolamento social e as ocasiões em que o presidente minimizou os efeitos da doença.

Segundo os médicos e cientistas, o presidente “usou seus poderes legais e sua força política para desacreditar medidas sanitárias de eficácia comprovada e desorientar a população cuja saúde deveria proteger”.

O pedido também afirma que o negacionismo de Bolsonaro tem custado vidas de brasileiros.

“O Sr. Jair Messias Bolsonaro insistiu em arrastar a credibilidade da Presidência da República (e, consequentemente, do Brasil) a um precipício negacionista que implicou (e vem implicando) perda de vidas e prejuízos incomensuráveis, da saúde à economia”, diz um trecho do documento.

O documento foi assinado por oito profissionais entre médicos e cientistas. São eles:

  • Daniel de Araújo Dourado – Médico, advogado e pesquisador Associado do Núcleo de Pesquisa em Direito Sanitário da Universidade de São Paulo (NAP-DISA/USP)
  • Eloan dos Santos Pinheiro– Ex-diretora da Far-Manguinhos (Fiocruz)
  • Gonzalo Vecina Neto– Médico, professor de saúde pública da Universidade de São Paulo (USP) e ex-presidente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa)
  • José Gomes Temporão – Médico sanitarista e ex-ministro da Saúde
  • Ethel Leonor Noia Maciel– Pesquisadora no Campo da Saúde Coletiva, com ênfase em Epidemiologia
  • Reinaldo Ayer de Oliveira– Médico e Conselheiro do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo (CREMESP)
  • Ricardo Oliva – Médico sanitarista
  • Ubiratan de Paula Santos– Pneumologista do Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo

Cabe ao presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), decidir se aceita ou não um pedido de impeachment. Já foram protocolados mais de 60 pedidos de impeachment contra Bolsonaro. Lira é aliado do presidente da República.

Outros pedidos

No dia 26 de janeiro lideranças religiosas protocolaram na Câmara um pedido de impeachment contra Bolsonaro, também devido à atuação do governo no enfrentamento da pandemia.

O documento foi assinado por 380 pessoas, entre as quais bispos, pastores, padres e frades, ligadas a igrejas cristãs, incluindo católicas, anglicanas, luteranas, presbiterianas, batistas e metodistas, além de 17 movimentos cristãos.

No dia seguinte, outro pedido foi protocolado por seis partidos de oposição — PT, PSB, PDT, PCdoB, PSOL e Rede – com base nos mesmos argumentos.

 

Fonte: G1/Globo

PROPAGANDA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on email