Pazuello protege Bolsonaro e divide decisões com Estados em 2 dias de CPI

Governo decidiu não intervir em Manaus. Pazuello diz que não foi “único responsável”.

O ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello falou à CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Covid por cerca de 14 horas em 2 dias de depoimentos. Durante a oitiva, o general afastou o presidente Jair Bolsonaro de quaisquer de suas ações no comando da pasta e tentou dividir a responsabilidade da gestão com governadores e prefeitos dizendo que não foi o único responsável“.

 

o depoimento do ex-chefe da Saúde começou na 4ª feira (19.mai.2021), quando ele foi interrogado principalmente pelo relator da comissão, Renan Calheiros (MDB-AL). O encontro foi encerrado depois de cerca de 7 horas, quando passou mal. Inicialmente, ele negou o fato, mas nesta 5ª feira (20.mai) acabou confirmando o mal-estar.

O 2º dia de depoimento de Pazuello começou com 26 senadores inscritos para falar – cada congressista dispõe de 15 minutos para questionar o convocado da vez. Apesar de amparado por um habeas corpus concedido pelo STF (Supremo Tribunal Federal) que o autorizava a permanecer em silêncio, Pazuello respondeu a todas as perguntas.

Segundo a decisão, ele poderia não responder à perguntas que considerasse haver risco de se autoincriminar. Pazuello também pôde ser assistido por seu advogado durante todo o depoimento e não poderia sofrer quaisquer constrangimentos físicos ou morais, inclusive ameaças de processo ou de prisão, caso resolva exercer algum direito explicitado na decisão.

1º DIA DE DEPOIMENTO

O ex-ministro começou seu depoimento dizendo que a pasta agiu “apropriadamente” e responsabilizou governadores e prefeitos pelo não cancelamento do Carnaval de 2020. Depois, afirmou que se reunia com Bolsonaro “menos do que gostaria” e negou qualquer interferência ou orientação do chefe do Executivo em sua gestão no ministério.

Pazuello também deu mais detalhes sobre a negociação com a Pfizer por vacinas contra covid-19 ainda em 2020. Segundo ele, as negativas às propostas da empresa norte-americana foram por conta do preço cobrado por dose, de problemas de logística e cláusulas “complicadíssimas” nos contratos.

O general do Exército disse também que a pasta apoiou medidas restritivas de Estados e municípios independentemente de ideologia. O presidente Jair Bolsonaro critica recorrentemente essas medidas.

O ex-ministro também firmou que o estoque de oxigênio em Manaus só caiu durante por 2, 3 dias. A afirmação causou reação de senadores e tumulto na sessão. Pazuello disse ainda que não foi consultado sobre a possibilidade de um avião dos Estados Unidos colaborar com o transporte do insumo para o Estado. “Nunca me chegou essa oferta para que eu aceitasse ou não”, disse o ex-ministro. Os senadores, no entanto, possuem uma resposta oficial do Ministério da Saúde indicando o conhecimento da pasta sobre a possibilidade.

Quando lhe perguntaram a razão de ter deixado o ministério, Pazuello disse que saiu porque estava com sua “missão cumprida”. No dia em que se despediu do cargo e passou o bastão para Marcelo Queiroga, o Brasil atingiu 300 mil mortos por covid-19.

DEFENDE MÁSCARAS

Nesta 5ª feira (20.mai.2020), Eduardo Pazuello recomeçou seu depoimento à CPI da Covid no Senado dizendo que é favorável à medidas de prevenção, como uso de máscaras, distanciamento e álcool em gel. Ele pediu desculpas por ter entrado em um shopping de Manaus sem máscara.

RENAN E MPF

O relator da CPI, Renan Calheiros (MDB-AL), declarou que vai propor que a comissão tenha uma agência de checagem dentro do colegiado para verificar o que é falado pelos convocados. Ele afirma que constatou diversas mentiras no depoimento de Pazuello, sem dizer quais ou quantas, mas disse que “bateu o recorde”.

“A pretexto de proteger o presidente ele mentiu, mentiu, mentiu como ninguém jamais havia mentido na comissão parlamentar… Eu vou eu vou propor ao presidente da comissão parlamentar de inquérito, senador Omar Aziz, que ele faça o mesmo que fez com o Fábio Wajngarten que pegue as comprovações das mentiras e desde já mande-as para o Ministério Público do Distrito Federal”.

O presidente da CPI da Covid, senador Omar Aziz (PSD-AM), decidiu encaminhar ao Ministério Público (MP) os autos do depoimento do ex-secretário de Comunicação do governo Bolsonaro Fabio Wajngarten. Aziz também sugeriu que seja feito um relatório preliminar da comissão para que não se perca os fatos relatados até agora.

INTERVENÇÃO EM MANAUS

Pazuello disse à CPI que o governo federal se reuniu para deliberar sobre uma possível intervenção na saúde do Amazonas durante o pico da pandemia no Estado.

O senador amazonense Eduardo Braga (MDB-AM) perguntou ao ex-ministro por que seu pleito de intervenção não foi atendido: “Fiz carta ao presidente da República pedindo a intervenção para salvar vidas, senador Omar, diante do que nós estamos ouvindo aqui por parte do Ministro da Saúde, da falta de compromisso, da falta de competência, da falta de responsabilidade. Deixou faltar oxigênio. Fecharam o hospital de campanha! E, lamentavelmente, não fui atendido”.

Pazuello disse que não era sua decisão de intervir ou não, mas que o tema foi debatido em uma reunião de ministros com a presença de Jair Bolsonaro e do governador do Estado, Wilson Lima. Nesse encontro, entretanto, decidiram não intervir no Amazonas.

“Essa decisão não era minha…Foi levado à reunião de ministros com o presidente. E o governador, presente, se explicou, apresentou suas observações. E foi decidido pela não intervenção. Foi dessa forma que aconteceu”.

DIVIDIU RESPONSABILIDADE

O ex-ministro declarou não ser o “único responsável” pela situação atual da pandemia no Brasil. Para ele, todos os gestores públicos, em todos os níveis de atuação, devem dividir a responsabilidade. O general disse ainda não ser possível calcular o impacto das falas do presidente Jair Bolsonaro sobre o uso da hidroxicloroquina, que não tem eficácia comprovada para a doença.

O ex-ministro repetiu que a crise de oxigênio no Amazonas aconteceu por falta de acompanhamento da situação por parte da Secretaria de Saúde do Estado e por falta de aviso sobre o uso de estoques de oxigênio pela empresa White Martins, de fabricação de gases industriais e medicinais. “É óbvio que se eu tivesse sido acionado antes, teria agido antes. Mas não houve essa possibilidade“, disse.

O senador Marcos Rogério (DEM-RO) apresentou requerimento para convocar os representantes da empresa. O congressista disse querer explicações sobre a falta de oxigênio no Estado. Em publicação no Twitter, Rogério afirmou que “a investigação está chegando nos Estados”.

TRATECOV HACKEADO

O ex-ministro declarou que o aplicativo “Tratecov“, criado pela pasta para recomendar o chamado tratamento precoce a quem estivesse com sintomas da covid-19, foi “roubado e hackeado” e que, assim que tomou conhecimento do fato, pediu para a plataforma ser tirada do ar.

Segundo Pazuello, foi feito um boletim de ocorrência e uma investigação que chegou ao hacker. Ele prometeu entregar as informações sobre o ataque aos senadores. “Ele foi descoberto. Ele pegou esse diagnóstico, botou, alterou, com dados lá dentro, e colocou na rede pública. Quem colocou foi ele“, disse.

Em 15 de janeiro, o Ministério da Saúde tirou do ar o aplicativo. Perguntado na CPI, Pazuello disse que a ideia da ferramenta veio de Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação na Saúde do Ministério Saúde.

“No dia 6 de janeiro, a secretária Mayra, quando voltou de Manaus, trouxe a sugestão de nós fazermos uma plataforma, uma calculadora que facilitasse o diagnóstico.”,  disse.

Segundo Pazuello, na ocasião, o diagnóstico clínico em Manaus (AM) era muito importante. “Tem que se compreender que nós temos que separar o que foi feito, o resultado final do projeto com ideia do projeto. A ideia do projeto é uma calculadora que facilite o diagnóstico”, afirmou.

O aplicativo, no entanto, chegou a ser lançado oficialmente por Pazuello e Mayra quando eles estiveram no Amazonas, com aviso para a imprensa e reportagens em canais oficiais do governo federal.

O presidente da comissão, Omar Aziz (PSD-AM), criticou o uso do aplicativo no Estado nortista porque categorizou que a população de Manaus foi feita de cobaia. O senador Eduardo Braga (MDB-AM) disse que essa era “mais uma revelação da CPI”.

Fonte: Poder 360

PROPAGANDA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on email