Seleção não quer disputar a Copa América. Saída pode ser time B

Jogadores da Seleção pediram uma reunião com o presidente da CBF, Rogério Caboclo. Diante de 469 mil mortos pela pandemia no país, não querem jogar a Copa América. Os ‘europeus’, grande maioria, alegaram ‘cansaço’

 

São Paulo, Brasil

O que deveria uma vitória para a CBF, para o presidente Rogério Caboclo, pode se tornar um fiasco inesquecível.

Os jogadores da Seleção Brasileira não querem disputar a Copa América. Eles pediram e tiveram uma reunião com Tite, o restante da Comissão Técnica e o presidente Caboclo. A conversa aconteceu ontem. 

Os atletas alegaram que não se sentem seguros por conta da pandemia no Brasil. Inclusive com os confrontos com jogadores de países que puderam ter contato com a cepa indiana da Covid-19. Fora o fato de o país já ter mais de 469.700 mortos pela pandemia.

Não há o que celebrar. Não há clima para uma competição internacional. Além de alegarem esgotamento físico do final de temporada, para os jogadores que atuam na Europa, a enorme maioria do elenco. Eles querem, sim, disputar as partidas das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo do Catar, amanhã contra o Equador, em Porto Alegre, e na terça, diante do Paraguai, em Assunção. 

“Temos uma opinião muito clara e fomos lealmente, numa sequência cronológica, eu e Juninho, externando ao presidente qual a nossa opinião. Depois, pedimos aos atletas para focarem apenas no jogo contra o Equador.

“Na sequência, solicitaram uma conversa direta ao presidente.

“Foi uma conversa muito clara, direta.

“A partir daí, a posição dos atletas também ficou clara. Temos uma posição, mas não vamos externar isso agora. Temos uma prioridade agora de jogar bem e ganhar o jogo contra o Equador. Entendemos que depois dessa Data Fifa as situações vão ficar claras“, disse Tite. Se todos fossem a favor da Copa América, o treinador havia confirmado e ponto final.

O incômodo de Tite com a situação era nítido na coletiva obrigatória de imprensa, antes da partida de amanhã. Que não contou com nenhum jogador. O capitão da partida de amanhã deveria estar ao lado do técnico. Mas nada de Casemiro. Acabou se tornando claro o motivo de os atletas não terem dado entrevistas, a lei da mordaça, em Teresópolis.

A cúpula da CBF sabia que os convocados não queriam disputar a Copa América no Brasil. E iriam externar essa vontade nas coletivas. Daí terem sido canceladas. Como a CBF já confirmou a competição para a Conmebol, que divulgou sede e tabela, com o apoio do governo federal.

A saída seria simples.

Tite tem até o dia 10, uma semana ainda para a convocação para a Copa América. Ele deixaria de fora os atletas da Europa e chamaria jogadores que atuam no Brasil. No máximo, por exemplo, dois por clube, para não atrapalhar de vez o Campeonato Brasileiro que não vai parar durante a competição.

A situação é muito complicada.

Até Tite também não está satisfeito com o torneio no Brasil, ainda vivendo o auge da pandemia. Tanto que ele fugiu, não quis expor o que pensa sobre a disputa do torneio no país.

“Depois desses dois jogos, vou externar a minha posição.”

A situação é simples.

O Brasil não pode desistir do torneio que ele mesmo promove. 

O governo já confirmou a competição.

O presidente Jair Bolsonaro e o Ministério de Saúde autorizaram.

Não há como a CBF recuar.

Caboclo jamais imaginaria essa postura dos atletas. E nem de Tite.

Eles não querem enfrentar a rejeição de grande parte da sociedade brasileira à Copa América. A solução está programada para ser oficializada na quarta-feira, dia nove. Após o jogo contra o Paraguai. Mas antes disso, haverá muitas reuniões.

E pressão da CBF nos jogadores da Seleção. Para que recuem, voltem atrás na decisão de não jogar a Copa América. O clima é muito tenso na concentração do Brasil…

Fonte: COSME RÍMOLI | Do R7

PROPAGANDA

Compartilhar

Share on facebook
Share on twitter
Share on email